Histórias da Vida do Verdadeiro Pai – Parte V

Um coreano no Japão: O Pai deixa a Terra Natal

large (2)

Havia três anos desde que Jesus apareceu pela primeira vez ao Pai e disse-lhe qual seria sua missão. Ele havia aprendido muitas coisas sobre Deus, sobre o universo, sobre Satanás. Mesmo gastando muitas horas do dia orando, ele também foi para a escola. Agora o Pai tinha 19 anos de idade. Ele havia se graduado no colégio. Ele estava imaginando se Deus queria que ele continuasse indo para a escola, talvez uma faculdade. Enquanto orava na montanha, ele perguntou ao Pai Celeste: “O Senhor me deu uma missão tão grande. Agora eu terminei o colégio. Eu sempre quis ir para a faculdade. Mas o que o Senhor quer que eu faça agora?”

Tudo estava tão quieto ao lado da montanha. Então um pássaro pairou silenciosamente pelo ar. O Pai ficou silenciosamente esperando a resposta de Deus. Então o Pai ouviu de seu interior Deus dizendo: “Vá para o Japão para a faculdade. Você deve aprender sobre o Japão e o povo japonês.” O Pai curvou sua cabeça muito profundamente quando ouviu isto. “Pai Celeste, eu irei para o Japão. Mas eu precisarei da Sua ajuda. Eu nunca estive em outro país antes.”

Era algo completamente assustador pensar em ir para o Japão. Quando o Pai tinha 19 anos, o Japão e a Coreia eram países inimigos. O pai pensou sobre os soldados japoneses que vieram para sua cidade. Eles nunca sorriam. Somente davam ordens ao povo coreano. Os soldados japoneses fizeram todos os coreanos falarem japonês, ao invés de coreano. Era duro ter que aprender este idioma do inimigo. Era sempre uma boa sensação poder falar coreano com seu pai e sua mãe em casa, mas o Pai tinha que falar japonês na escola.

Ao lado da montanha, o Pai pensou sobre todas estas coisas. Mas toda vez que ele se sentia assustado, parecia que Deus o abraçava, e fazia com que o Pai se sentisse melhor e mais forte. Ele disse para Deus: “Eu sei que o Senhor não quer que os japoneses e os coreanos sejam inimigos. Eu irei lá pelo Senhor.”

Continuar a ler

Hyung Jin Nim ora com membros no barco que sobreviveram às ondas tsunami

Unificacionistas no Japão ficaram entusiasmados com a visita surpresa de Hyung Jin Nin, sua esposa e a Sra. Choi Yeon Ah, a viúva de Hyo Jin Moon, em 19 de março e 20 de março de 2011. Todos os 100 membros da cidade portuária de Hachinohe na prefeitura de Aomori norte ficaram surpresos .

O relato a seguir é do Sr. Francisco A. Javier da cidade de Hachinohe, um membro da Igreja ” Hyung Jin Nim e sua esposa visitaram a nossa cidade hoje de surpresa. Às 16:10 [19 de março], eles chegaram ao centro e deram uma mensagem curta para todos os membros presentes, mais ou menos 100 pessoas “, disse Javier.

“Depois da mensagem muito inspiradora, cerca de 40 membros, incluindo a nossa família fomos para o porto que foi gravemente danificado pelo tsunami para uma oração. Hyng Jin Nim mostrou a sua mais profunda simpatia a todas as vítimas do terremoto e do tsunami. Aqui na igreja Hachinohe, um esposo de nossa figura materna, é um pescador. Entre os outros barcos no porto, o barco de pesca não foi arrastado pelo tsunami. Isso foi estranho, porque todos os barcos próximos foram arrastados pelas ondas fortes, incluindo barcos muito maiores. Seu barco tem a bandeira da Igreja da Unificação fixada no mastro. Depois de nosso irmão mais velho Hyung Jin Nim orar em seu barco, ele chamou o casal, e para a surpresa de todos ao redor, Hyung Jin Nim tirou do pescoço o colar da Igreja com um diamante, e o deu ao casal. Todo mundo estava chorando enquanto gritava: ” Og Mansei ,” segundo Javier, que também escreveu: ‘uma das mensagens muito importante de Hyung Jin Nim foi: “Mostre sua força e atenda Deus e aos Verdadeiros Pais neste momento tão crucial da providência .”

Hyung Jin Nim pregou na sede da Igreja em Tóquio, na manhã de domingo (20 de março de 2011) e fez uma doação de 1.700 mil dólares a partir da Igreja da Unificação para a Cruz Vermelha, a pedido de seus pais, o Reverendo e a Sra. Sun Myung Moon, e ele também  fez doações menores para a Igreja de Unificação japonesa como ajuda humanitária.